Geral

Araponga: qual o custo de um vereador ao município? pense nisso na hora de escolher o seu

(por Araponga) Quando eu nasci, minha mãe disse a meu pai; se este guri chegar a se criar, dará muito desgosto à humanidade. Dito e feito. Hoje estou aqui só para incomodar.

Cria roubada – cara do pai

É triste a vida de político. É só pensar em concorrer, que já falam da gente. Que é amasiado, que tem amante, que tem filhos fora do casamento… Ter filho extraviado é normal. Anormal é não querer assumi-los.

Como cantou Antônio Gringo: “…pra quem dorme em ninho alheio, melhor que a vasectomia não hay; pois toda cria roubada é sempre a cara do pai”.

Ora, deixem os candidatos cuidarem das campanhas. Eles não farão na vida pública o que fizeram na privada.

Paulada nos nobres

Bueno, de antemão quero elogiar o Figueroa, aquele do Santiago em Rede. Deu uma paulada nesses vereadores de Santiago que doeu até em mim – que sou pouco humano -.

Um tapão tipo telefone mudo na raiz do ouvido que até agora dá sinal de ocupado. A julgar pelo custo de meio milhão aos cofres públicos em quatro anos (incluindo assessoria, alguma viagem etc).
Assim, o custo por hora é de 300 reais por vereador (aproximadamente).

Ele questiona:
Qual o salário mínimo atual? R$ 1.045;
Para trabalhar por quantas horas por semana? 44 horas.
Qual o salário de um professor? 2.066;
Para trabalhar quantas horas por semana? 20 horas.
Qual o salário de um vereador? 6.094,27;
Para trabalhar quantas horas por semana? 05 horas.

Barato que sai caro

Sabe aquela história de que o barato, bem barato, pode sair bem caro? E do caro que pode sair barato? Esta relação é necessária quando se fala em custo-benefício.

Retorno zero

Significa que um vereador pode ganhar até um milhão ao ano que sairia barato ao município se desempenhasse bem sua função, não vivesse só de politicagem e trouxesse retorno.
Sai caro se ganhar mil reais ao ano se nada fizer.

Aguardem
Por esse diapasão, vejo que a maioria custa muito caro aos cofres públicos. Em breve eu direi por que, seguindo a linha do nosso craque Figueroa.

Honestos e bons de serviço

Bom, agora vou falar dos galos honestos e bons de serviços que dão apoio a candidatos enrolados com a Justiça. Um deles, baita cara! Do tipo “este trabalha”.

O problema é a lei do digas com quem andas que te direi quem és. No caso em tela, me refiro aos apoiamentos. Sem esquecer; quem com ferro fere, com ferro será ferido.

Raposa no galinheiro

Na bonita e próspera Nova Esperança ele apoia um galo cento por cento, porém, com um processo que trata de rolos administrativos. O índio tem uma “condena” por rolos na compra de peças.

Em breve eu volto para falar dos nobres e seus projetos.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Mensagem para que o visitante desative o bloqueador de anuncios